SindServ Barueri – Portal – ALCKMIN Após greve dos metroviários, Justiça suspende leilão para privatizar metrô em SP full screen background image
Últimas notícias

ALCKMIN Após greve dos metroviários, Justiça suspende leilão para privatizar metrô em SP

Governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que vai recorrer da decisão; metroviários seguem em greve

Rute Pina

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), em decisão liminar, suspendeu na tarde desta quinta-feira (18) o leilão de concessão de duas linhas do Metrô de São Paulo.

O leilão, que pretende privatizar, ou seja, passar para a iniciativa privada a administração e manutenção das linhas 5-Lilás e 17-Ouro pelos próximos 20 anos, estava agendado para esta sexta-feira (19) na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

Nesta quinta, os metroviários paralisaram as linhas do metrô da cidade como forma de fazer pressão contra a privatização.

Ana Borguin, presidenta do Sindicato dos Metroviários, considera a decisão provisória uma vitória da categoria, que convocou uma greve, em janeiro, período incomum de mobilização: “Foi importante para demonstrar a força e a insatisfação que não só os metroviários têm, mas que a própria população tem com o projeto de privatização do governo [Geraldo] Alckmin”, disse a sindicalista.

A suspensão do leilão foi decretada pelo juiz Adriano Marcos Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública. Ele acatou o pedido dos vereadores Sâmia Bonfim e Toninho Vespoli, ambos do Psol, e da Federação Nacional dos Metroviários. Caso o governo descumpra a decisão, deverá pagar multa diária de R$ 1 milhão para cada réu, além de estar sujeito a sanções administrativas e criminais.

Borguin diz ainda que a decisão dá amparo jurídico à categoria: “Essa vitória também vem em um momento importante porque, desde manhã, o Alckmin foi a público para defender o projeto de privatização enquanto a imprensa falou de maneira bastante ofensiva sobre a greve dos metroviários”.

A paralisação parcial das linhas do metrô afetou 4 milhões de usuários na cidade. Os metroviários sustentam que a privatização levará ao aumento da tarifa e argumentam que o valor mínimo da outorga pelo qual os trechos seriam leiloados representa apenas 3% do que foi investido na construção das linhas pelo governo do estado.

O governo tucano pretende recorrer da decisão liminar do TJ-SP. Os metroviários mantêm a greve, convocada por 24 horas, e o ato convocado para sexta-feira (19) às 9h em frente ao prédio da Bovespa, no centro da capital paulista.

Edição: Vanessa Martina Silva




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *