full screen background image
Últimas notícias

BRASÍLIA – Movimentos populares ocupam área da Coca-Cola contra a exploração comercial da água

Fábrica em Samambaia, no DF, foi paralisada por meia hora; Fórum Mundial da Água virou encontro de corporações

Da redação

Brasil de Fato | São Paulo (SP),  22 de Março de 2018 às 08:55

 

Por volta das 5h30 da manhã desta quinta-feira (22), cerca de 350 militantes organizados em movimentos populares ocuparam o parque industrial da Coca-Cola, em Samambaia, nos arredores de Brasília para denunciar a ação da multinacional na tentativa de espoliar os bens naturais do país, particularmente as águas.

O protesto, que teve duração de 30 minutos e paralisou a produção, denunciou o caráter mercantilista do 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília  que se encerra amanhã (23).

Está na mira prioritária de Nestlé, Coca-Cola, Danone e outras empresas de capital internacional os maiores aquíferos do planeta, grandes reservas de água doce localizadas no Brasil. Nas semanas anteriores ao evento da ONU com as corporações, já houve menção no Congresso brasileiro de quantificar o preço do maior deles, o Aquífero Guarani.

Em janeiro, numa promíscua relação com as corporações do setor, o presidente ilegítimo, Michel Temer, participou de jantar durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, com o CEO da Nestlé, Paul Bulcke, e de outras empresas, como Ambev, Coca-Cola e Dow. Elas compõem o grupo 2030 Water Resources Group (2030WRG), consórcio que pretende privatizar cada metro cúbico disponível de água no planeta.

“Denunciamos as transnacionais Nestlé, Coca-Cola, Ambev, Suez, Brookfiled (BRK Ambiental), Dow AgroSciences, entre outras que expressam o caráter do ‘fórum das corporações”, escreveram os movimentos em manifesto divulgado, remetendo-se ao evento organizado com a presença das multinacionais em Brasília. Para os movimentos, a intenção é privatizar este e outros aquíferos para produção de bebidas.

Além de palavras de ordem, os militantes deixaram seu recado em forma e pixações. Participam da ação militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), do Levante Popular da Juventude, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Brasil de Fato entrou em contato por e-mail com a assessoria da Coca-Cola, porém, a empresa não respondeu os questionamentos sobre a atuação da companhia no fórum.

Edição: Juca Guimarães

imagem:

fonte: www.brasildefato.com.br




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *