full screen background image
Últimas notícias

Festa No Acampamento Dom Tomás Balduíno Comemora 3 Anos De Resistência No Paraná


No sábado (07), o acampamento Dom Tomás Balduíno, em Quedas do Iguaçu-PR, teve a maior comemoração do ano realizada por militantes do MST. Num local que é símbolo de resistência, moradores se auto-organizaram por mais de um ano para fazer um evento para cerca de 10 mil pessoas, comemorando os três anos de existência do acampamento no território. Mística, ato político, apresentações culturais e um grande almoço foram oferecidos. Cada uma das 600 famílias que vivem lá contribuiu, nesse período, com 10 quilos de carne, complementadas por outras doações. Em cada uma das oito cozinhas organizadas, todas com o nome de uma personalidade, como Marielle Franco, Tchê Guevera, Comandante Chávez etc., trabalharam cerca de 100 pessoas.

Foto: Giorgia Macedo

O ato político e festivo contou com a participação de políticos, como os senadores Gleisi Hoffmann (PT), Roberto Requião (MDB), lideranças do MST, representantes da igreja católica, de universidades, entre outras.

Na abertura, o Frei José Fernandes, que conviveu com Dom Tomás Balduíno até seus últimos dias, lembrou que ele era um homem de grandes articulações e de pequenos atos, como defender os sem-terra, os indígenas, lutar contra o latifúndio, ao mesmo tempo que cuidava do jardim da casa em que moravam. Pedindo o coro de todos presentes, Frei José repetiu uma frase de Dom Tomás: “Direitos humanos não se pedem de joelhos, exigem-se de pé”.

O professor da PUC-PR e ex-procurador geral do Estado, Carlos Frederico Marés, lembrou que nessa região do Paraná a luta pela terra é uma questão centenária. “Aqueles que entregaram títulos falsos tentam nos fazer esquecer essa luta. Aqui já cultivamos nossos mártires, adubo que nos faz levantar cada vez mais. A terra pertence a todos e só quando todos usam ela faz sentido para a sociedade”.

O senador Requião, depois de afirmar que o assentamento é exemplo por sua organização e resistência, também lembrou que as terras onde está pertenciam à União e foram griladas pela família Giacometti, revendida à companhia Araupel e agora ocupada pelo MST. “A Araupel, quando comprou essa terra, sabia que era roubada. E quem compra mercadoria roubada perde sem receber nada. Onde houver terra desocupada e improdutiva, só se aceita título de propriedade assinado por Deus e com firma reconhecida. Terra improdutiva tem de ser ocupada”.

Já a senadora Gleisi Hoffmann lembrou que há pouco tempo estave numa praça de Quedas do Iguaçu em ato pela morte de dois acampados assassinados. “Leonir e Vilmar são companheiros que tombaram, mas enfrentaram a Araupel, mostrando que a reforma agrária é possível e necessária”, disse. E lembrou que o Brasil passa por um momento decisivo, que é a eleição de outubro deste ano: “Será determinante para enfrentar os problemas brasileiros, como a fome que está voltando e a falta de políticas públicas para o campo e a cidade. A única opção é fazer com que Lula possa ser candidato e governar de novo o Brasil. Não prenderam porque ele cometeu crime, mas porque representa o povo brasileiro, a esperança. Se deixar solto, ganha a eleição e desmonta o que eles fizeram”, concluiu. No que foi complementada pelo senador Requião. “Assino embaixo do que Gleisi disse. Lula não está preso. É um ex-presidente nacionalista e popular sequestrado pelos interesses geopolíticos de outros países. Continuidade e resistência vão libertar Lula de seu sequestro.”

Já João Pedro Stédile, do MST, disse que depois das últimas vitórias na Justiça o acampamento já pode trocar as placas da entrada por Assentamento Dom Tomás Balduíno. E lembrou a visita que fez ao ex-presidente Lula na última quinta-feira. “Na situação em que ele está a gente fica constrangido, não sabe se abraça ou chora, mas o homem (Lula) está com tanta energia de entrar em campo, que já começa a puxar assunto sobre política. Ficou falando uma hora e eu só anotando. Disse a ele que vinha nessa atividade e ele pediu para dizer para cada militante do MST que na batalha contra golpistas os primeiros companheiros nessa luta são do MST, a quem deve eterna gratidão. E, quando voltar, não vai brincar de reforma agrária. Vai fazer reforma agrária de verdade, doa a quem doer”, relatou Stédile.

 

Edição: Laís Melo



Fonte




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *