full screen background image
Últimas notícias

Como dirigíveis funcionam e voam pelo ar?


Quando foi a última vez que você viu um dirigível? Populares no passado, essas aeronaves não são comuns hoje em dia, mas um ou outro ainda chama a atenção por onde passa. Mas você já parou para pensar como os dirigíveis conseguem ficar mais leves que o ar?

Eles são iguais a balões? Como conseguem flutuar? Bom, você está prestes a descobrir. Mas em resumo, podemos dizer que eles não seriam nada sem um velho conhecido: o gás hélio.

Tec por trás dos dirigíveis

Imagem: Guilherme Zamarioli/UOL

Basicamente, é possível dizer que os dirigíveis têm como princípio de funcionamento básico o mesmo daqueles balões de festa que flutuam sozinhos.

A parte superior da aeronave, aquele bolsão, tem compartimentos separados que são preenchidos com hélio, que é mais leve do que o ar. Esses compartimentos são separados de maneira que é possível controlar a quantidade de ar e de hélio em seu interior.

Após uma certa quantidade desse gás preencher as câmaras presentes no bolsão, o hélio é capaz de fazer toda a estrutura do dirigível alçar voo.

No ar, o dirigível se move graças a hélices de propulsão e um conjunto de asas móveis que permitem manobrar a aeronave conforme a necessidade. Como o que mantém o dirigível no ar é o bolsão de gás hélio, ele não segue o mesmo conceito dos aviões, que precisam estar em movimento para se manter no ar.

Se o hélio é mais leve do que o ar, como um dirigível não sobe indefinidamente?

As divisões do bolsão de gás dos dirigíveis servem exatamente para evitar isso: com compartimentos separados, é possível atingir um equilíbrio entre a quantidade de hélio necessária para o dirigível permanecer flutuando e a quantidade de ar para evitar que ele suba de maneira descontrolada, o chamado empuxo neutro.

Com esse controle de pressão de ar, é possível manter um voo estável, além de ajudar em decolagens e pousos.

Há risco de um dirigível cair se o bolsão de gás furar?

Aqui, tudo depende do tamanho do furo. Considerando um buraco de bala de arma de fogo, por exemplo, ele não é grande o suficiente para fazer o gás vazar de uma vez só, uma vez que o volume armazenado é muito grande. Neste caso, é possível pousar a aeronave em total segurança.

Os dirigíveis são seguros?

Uma cena famosa envolvendo um dirigível foi o acidente do Hindenburg, na década de 1930. Na ocasião, em 6 de maio de 1937, o LZ 129 Hindenburg – um colossal dirigível de 245 metros de comprimento construído pela empresa alemã Luftschiffbau-Zeppelin – estava em Nova Jersey, nos EUA, e acabou pegando fogo durante o seu pouso.

Até hoje há controvérsias sobre o motivo do incêndio, mas por muito tempo achou-se que o motivo era o uso do hidrogênio, inflamável, para encher a aeronave —ainda que teorias que vieram depois neguem essa hipótese.

De qualquer maneira, os dirigíveis hoje são inflados com hélio, que é um gás inerte, afastando riscos de explosões.

Fontes:

Paulo Eduardo Batista de Mello, professor do departamento de Engenharia Mecânica do Centro Universitário FEI
Joseph Youssif Saab Junior, professor e coordenador do curso de Engenharia Mecânica do Instituto Mauá de Tecnologia

Toda quinta, Tilt mostra que há tecnologia por trás de (quase) tudo que nos rodeia. Tem dúvida de algum objeto? Mande para a gente que vamos investigar.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS



Fonte




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *